segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Limpeza de Verão

Fim-de-semana dedicado à limpeza do lago. E na verdade já passou muito tempo desde a última limpeza, e descuidei-me um pouco, apesar dos muitos jacintos aquáticos que tenho, e que fazem sempre alguma limpeza. Mas só ao limpar o lago, é que me apercebi, por exemplo, de tamanha quantidade de areia que as tartarugas arrastaram para dentro do lago, e isto apesar de eu ter relvado à volta do lago, e servir de certa forma de tapete, mas mesmo assim, não adiantou de muito. Devo ter tirado cerca de 5 litros de areia! E claro, junto com a areia, fica depositada a porcaria das tartarugas. Daí que não seja nada boa ideia colocar no fundo do lago areia ou qualquer outro tipo de substrato. O melhor, seja o lago em tela, cimento, ou como o meu em pcv, é deixar sem nada por ser muito mais fácil de limpar. 

Ainda assim, de salientar que, apesar do lago estar mais sujo do que eu imaginaria, a verdade é que, como virem na publicação anterior, as tartarugas apresentavam um carapaça e plastrão imaculados de qualquer verdete ou sujidade, porque a meu ver apanham bastante sol, que matam toda essa sujidade.


Comecei por retirar os jacintos, coloquei a bomba de água e bombeei-a toda para um reservatório que tenho para depois usar para regar as plantas e depois de remover toda a areia que ficou no fundo, não o enchi de imediato com água, deixei a apanhar sol para limpar algum verdete que ainda tivesse ficado agarrado ao lago. E então, no dia seguinte sim, enchi-o com água, que até foi da chuva dos últimos dias, dai que não tenha ficado com aquele aspeto tão translúcido, como se fosse água da rede.




Aproveitei também para limpar o terreno em volta do lago, que parecia um terreno minado de tanto buraco feito pelas tartarugas que cavaram para depositar os ovos. E pronto, lago limpo para mais algum tempo, até porque, já noto algum abrandamento na fome das tartarugas e, quanto menos comerem, menos sujam!




domingo, 3 de setembro de 2017

Medir & Pesar 2017

Estamos a meio do Verão, e decidi fazer algo que já não fazia há muito tempo: pesar e medir as tartarugas, isto para ter uma ideia se continuam a crescer ou não, e ver a evolução que as mais novas estão a ter. Então, para as medir, procedi como já expliquei aqui. Mas desta vez resolvi também as pesar com uma antiga balança decimal de cozinha, já muito antiga, mas que estou em crer que é muito fiável. 

Primeiro comecei com as duas primeiras tartarugas que adotei e que estão comigo há cerca de 16 anos e que já terão passado os vinte anos. E então é assim:

A maior:


Maio 2012:  21cm  Abril 2013: 22cm       Setembro 2017 : 24cm / 2100g

E a outra:


Maio 2012: 18,5cm Abril 2013: 20cm      Setembro 2017: 21,5cm / 1650g

Seguidamente fui medir e pesar as restantes três que adotei já mais recentemente. Para comparar, a mais velha que tenho, e que está agora com 27 anos, da mesma espécie (Trachemys scripta elegans) que estas duas, mas que viveu até aos 23 anos num aquário dentro de casa, e que talvez por esse motivo até ficou com aqueles sulcos na carapaça:


Abril 2013: 19,5cm                                   Setembro 2017:  21 cm / 1600g

Apesar dos anos que tem, a tartaruga cresceu entre os 23 e os 27 anos. É mais pequena que as outras duas, no entanto, é mais larga. Terá isto a ver com o facto de sempre ter vivivo dentro de casa até aos 23 anos? Provavelmente, digo eu. 

Agora o macho Pseusemys:



Maio 2012: 11cm  Abril 2013: 14cm       Setembro 2017: 20,5cm / 925g

E por último a Ruby, nome que a amiga que ma deu lhe tinha dado e que adotei em Maio de 2013 e não tenho medições anteriores:



Ruby:  Setembro 2017: 22,5 / 1600g

Portanto, em jeito de conclusão, dizer que tenham sempre presente, como podem ver,aqui, que as tartarugas crescem ao longo dos anos! As tartaruguinhas que vêem nas lojas de animais crescem rapidamente, e rapidamente ultrapassam os vinte centímetros de carapaça!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Exposição de Repteis na Marina de Viana do Castelo

"Viana do Castelo acolhe, desde sábado e até dia 23 de Julho, a exposição com mais de 150 répteis vivos de várias espécies, junto à Marina.



Desde serpentes cascavel, cobras, pitons, víboras, iguanas, lagartos e crocodilos, são várias as espécies que integram a exposição. O espaço proporciona ainda um ambiente pré-histórico, onde se pode observar dinossauros no tamanho real.

Além da visita livre, os visitantes podem tocar em algumas espécies, como pequenas serpentes e tartarugas. Em cada espaço há informação sobre o réptil, desde a origem à alimentação.

A exposição, que é destinada a todas a idades, decorre entre as 14:00 e as 20:00.


sábado, 29 de abril de 2017

Troosti: Irá pôr ovos este ano?

Ainda só estamos em Abril, mas este tem sido, contrariando o ditado popular, um mês bem mais quente que chuvoso, e talvez por isso não seja coincidência, que tenha começado a ver algumas movimentações nas tartarugas que indiciam que começam a investigar sítios para cavar. 




E surpreendentemente, pela primeira vez, observei a Troosti a afastar-se do lago e com a cabeça baixa a inspecionar o solo, sinal que poderá começar a cavar para pôr ovos. 

A Ruby, nome atribuído pela amiga que ma deu, fará este verão 7 anos, e quatro anos desde que está comigo.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Deixar-se morder por uma Tartaruga Mordedora!

O que não se faz por umas visualizações-extra no Youtube! No caso, deixar-se morder por uma tartaruga mordedora (Chelydra serpentina) e ver o que acontece! Não vai ser bonito de se ver!


Com Jacintos às Costas!

Alguém saiu do lago sem se aperceber que carregava um jacinto-aquático às costas!