Páginas

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Vespa bebe lágrimas da tartaruga

Há várias notícias com fotografias na internet que mostram borboletas e abelhas a beber lágrimas de tartaruga, e diz-se que este comportamento será até benéfico para os dois animais.

Numa das notícias diz-se até que é a primeira vez que uma câmara fotográfica capturou uma abelha a beber das lágrimas de uma tartaruga. Sendo assim, então eu devo ter capturado, pela primeira vez, uma vespa a beber das lágrimas de uma tartaruga!! 

Fica então aqui em primeira mão, e em exclusivo só para os leitores do Plastrão, uma vespa a tentar beber das lágrimas da minha Trachemys mais velha:  



Mas ao contrário do que os especialistas disseram nas ocorrências anteriores, acho que as minhas tartarugas não acharam que iriam beneficiar grande coisa da vespa e de imediato a começaram a afastara com as patas dianteiras, mais ou menos como qualquer humano faria! Sim porque a vespa não satisfeita em importunar uma tartaruga,  foi voar sobre as outras todas, mas não recebeu bom acolhimento!

E também não me pareceu que a vespa procurasse especificamente as lágrimas devido ao sal benéfico contido nelas, como foi também apontado pelos especialistas. No meu entender de leigo, o que me parece é que, a vespa simplesmente queria beber, e como ir ao lago é arriscado, visto que muitas até acabam por morrer afogadas, elas tentam sempre arranjar sítios mais seguros. 

Aliás como se pode ver aqui, ela também foi beber da alguma humidade de uma concavidade da carapaça que ainda não tinha evaporado.  



domingo, 14 de julho de 2013

Trabalhos ao crepúsculo

Creio ter sido hoje a primeira vez que observei uma tartaruga a cavar já há muito depois do sol se pôr. Já passava das nove da noite, a lua já estava no horizonte


 quando a tartaruga mais velha achou que deveria vir cá fora fazer a sua escavaçãozinha noturna.



Estas duas últimas fotografias já foram tiradas com recurso ao flash pois já não se via nada.



Apesar de tudo, escavam de dia, de noite, mas até agora nada de um vislumbre de ovos! Só mesmo um alicate!

domingo, 7 de julho de 2013

A fome é o melhor tempero

Há uns dias atrás eu falava que coloquei um jacinto-de-água no lago para ver se as Trachemys lhe pegavam,  e à primeira vista parecia que sim mas nos dias seguintes nada se passou, quase que desapareceram as raízes mas já sei que foi a hieroglífica que gosta de as comer, de resto nada de comerem a planta.
Ontem, coloquei também no lago uns quantos pés de salvinia, mas só mesmo a hieroglífica é que de vez em quando lhe vai debicando.

Hoje bem cedo levantei e fui para a praia. Foi só tempo de preparar as coisas e sair, e nem tive tempo sequer de fazer as rotinas diárias como regar o jardim  e deitar de comer às tartarugas de manhã, e estas acabaram mesmo só por comer às nove da noite.

Mas qual não foi o meu espanto quando chego ao lago para lhes deitar comida e reparo que todas as plantas aquáticas desapareceram!! E isso não podia ser só responsabilidade da pequena hieroglífica!! É verdade que as tartarugas de manchas vermelhas, pelo menos as minhas, não gostam muito de plantas aquáticas, mas lá está, quando a fome aperta, é ver se a esquisitice não desaparece!

sábado, 6 de julho de 2013

Nada se perde, tudo se transforma

Hoje precisei retirar uns baldes de adubo orgânico resultante da compostagem caseira que faço, e como é costume encontrei umas quantas lagartas bem gordas que fazem da pilha a sua casa.

~


De imediato lembrei-me das lagartas que o Bear Grylls costumava comer lá no programa dele, o "Ultimate Survaver" e se ele as comia estava em crer que as tartarugas também não seriam muito esquisitas com elas. Segundo ele não terão o melhor dos sabores, mas têm imensas proteínas, mais do que um bife ou peixe, bastante nutritivas portanto!! É certo que não sei se serão exatamente o mesmo tipo de lagartas, mas pela aparência não devem ser muito diferentes digo eu!

    

Então resolvi dar-lhes para saber se seria uma iguaria apreciada. A princípio ficaram ali a olhar e não pareceu entusiasmá-las muito, mas depois da primeira comer uma, de imediato despertou o interesse nas outras. Se a outra comeu é porque se calhar não deveria ser tão mau assim não?





No fundo, como dizia o outro, nada se perde tudo se transforma, fazendo compostagem em casa, obtenho um bom adubo orgânico, alimento milhares de invertebrados que trabalham na transformação dos resíduos e ainda arranjo umas lagartas bem gordas que servem de alimento às tartarugas, que por sua vez sujarão a água, que irá regar e alimentar as plantas.


quarta-feira, 3 de julho de 2013

A comida que se compra

Já por diversas vezes que falei aqui sobre a alimentação das tartarugas, mas hoje gostaria de me debruçar exclusivamente sobre a comida que compramos.
Podemos dar às nossas tartarugas alimentos vivos como os caracóis, lesmas, gafanhotos, grilos, lesmas etc, temos os vegetais e fruta e ainda as plantas aquáticas, e podemos também dar carnes brancas ou peixes de rio e depois temos a ração específica vendida nas lojas de animais ou nos hipermercados local onde eu costumo comprar.

A vantagem da ração é termos ali à mão comida sempre disponível, já preparada e não termos de andar a cortar umas aparas de carne ou peixe, ou à caça de invertebrados - apesar de estes também poderem ser criados em casa com esse fim - mas no fundo é uma forma prática e rápida de alimentar as bichas. E não esquecer também algo muito importante, a comida que damos às tartarugas deve ser toda consumida e não afundar no aquário ou lago, pois será, além de mais uma fonte de porcaria que irá sujar a água mais rapidamente, pode também ser uma fonte de contaminação e causa de infeções, como por exemplo nos olhos das tartarugas de manchas vermelhas.

Mas chegados então à prateleira do hipermercado específica para tartarugas, qual é o cenário com que nos deparamos? Diversos tipos de embalagens, desde as mais pequeninas, às embalagens de 1000mL, vários tipos de granulado e gammarus, uma espécie de camarão que é também vendida com diversas volumetrias, ambos para serem dados conforme o tamanho das tartarugas.

A questão dos gammarus não é de todo consensual, são muito aconselhados nas lojas de animais como sendo o alimento apropriado para tartarugas bem como outros répteis, mas são desaconselhados pelos especialistas, devido ao seu pouco valor nutritivo.
No que me toca, há vários anos que não lhos dou, mas muito também pelo lado económico, no fim de contas comprar um alimento que é  caro, pois tenho de comprar um bom saco e do camarão maior porque tenho tartarugas adultas, e acabar por estar a dar algo que nem é das melhores coisas, quer dizer... seria um bocado parvo.

No meu entender, acho que o importante na alimentação é variar, acho que é a variedade que acrescenta algo, e não simplesmente dar-se sempre, todos-os-dias o mesmo tipo de alimentação.

Mas no hipermercado deu-me para olhar para os rótulos das diferentes comidas para ver se chegava a alguma conclusão, e cheguei a algumas, e se calhar surpreendentes, partindo do princípio que aquela informação que consta do rótulo é fidedigna, isto porque se nós já andamos a comer carne de vaca louca no tempo do cavaquinho, e mais recentemente cavalo em vez de vaca, ou peixes proibidos como sendo o fiel amigo bacalhau, e toda uma série de fraudes que se têm vindo a descobrir na nossa alimentação, porque desde a entrada desde governo do coelhinho, do corta-relvas e dos amigos do gaspar que a ASAE reduziu a sua atividade e foi preciso um jornal, o Diário de Notícias no caso, fazer uma investigação para se descobrir estas situações porque ninguém controla o que andamos a comer. O povo precisa é do exame da quarta-classe e uma enxada na mão e agora pode comer uma qualquer lavagem dos porcos porque senão estiverem bem, podem sempre emigrar e ajudar a baixar o desemprego.
Agora pensem, se na alimentação dos humanos, são as aldrabices que se conhecem, então sabe-se lá o que se poderá passar na comida que é para os animais. Não é nenhuma teoria da conspiração, é só uma desconfiança minimamente razoável.
Numa das marcas de ração, o rótulo, além de não ter os valores nutricionais nem sequer tinha também o volume ou peso da comida! Vamos agora lá saber de que raio de coisas fizeram aquele granulado!! Pode simplesmente ser qualquer coisa!

Mas vamos então às informações desta marca e ver as diferenças entre ração e gammarus:















Gammarus:

Proteína              44%
Martéria gorda      6%
Fibra                  6,5%
Cálcio                   5%

Ração:

Proteína              39%
Matéria gorda    4,5%
Fibra                    2%
Cálcio                3,3%
Fósforo              1,3%

Para um leigo como eu, que nunca tive a paranóia das calorias e nunca andei a olhar para rótulos da embalagens com olho de falcão, o que é que eu retiro disto tudo?
Primeiro a surpresa: então os camarões secos têm mais proteína e mais matéria gorda que a ração? e diz-se correntemente que os camarões não têm qualquer valor nutricional? Isto não é um contra-senso ou é só a minha ignorância a falar?

Depois, como também referi há ouro tipo de ração, comummente aceite como sendo indicada para as tartarugas que é a ração para gato bebé e até comida de peixe de lago. Comparando:

Comida para peixe de lago:

Proteína              28%
Matéria gorda     3,5%
Fibra                     2%
Cinza bruta            7%

Comida para gato bebé:

Proteína              41%
Matéria gorda      20%              
Cinza bruta            8%
Fibra                   2,5%

Ora bem, em jeito de conclusão que é que eu retiro disto tudo?
Os camarões, contrariamente ao que se diz como referi que não têm valor nutricional nenhum têm mais proteína que tudo o resto, que a ração e até que a comida para gato bebé, e esta é a surpresa que eu não estava de facto nada à espera. Há também quem defenda que não se deve abusar da comida de gato bebé pois têm muita proteína, mas afinal isso parece não é de todo verdade.

Esta foi também uma pequeníssima amostragem, não sei se com marcas diferentes, todos estes valores podem variar substancialmente, contudo apesar de isto em nada ter mudado a minha forma de pensar, deixou-me com a pulga atrás da orelha e é bem possível que ainda faça um estudo com uma maior amostragem para ver a que conclusões chego.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Plantas aquáticas - Jacinto-de-água

Há já uns meses que tinha alguns pés de jacinto-de-água (Eichhornia crassipes) numa bacia para que crescessem, e se possível se multiplicassem, já com a ideia de que servissem no futuro de alimentação para as tartarugas. Esta é uma planta flutuante exótica e altamente invasora, que a partir de uma espécie de rizoma forma umas bolas e folhas esponsosas e umas raízes profundas e vigorosas.



Até agora só tinha experiência com a Salvinia que diga-se acho que só fazia mesmo parte da dieta da hieroglífica, mas para surpresa minha o jacinto-de-água atraiu logo a maior tartaruga de todas que lhe deu logo umas boas dentadas e deixou alguns bocados a flutuar que foram de imediato disputados pelas restantes tartarugas.




Se de facto as Trachemys gostarem tenho de ver se consigo arranjar mais plantas em quantidade, talvez ver se encontro algum sítio onde existam na natureza, mas confirmar primeiro que não foi curiosidade por uma iguaria diferente.

Aproveito também para deixar o alerta que, já desde decreto-lei nº 165 de 22 de abril de 1974, é proibido ter na sua posse, cultivar, multiplicar, transportar, ou vender o jacinto-de-água em todo o território continental e ilhas. Entretanto esta planta aquática encontra-se regulada pelo decreto-lei nº565 de 21 de dezembro de 1999 que regula a introdução na natureza de espécies não indígenas da flora e da fauna.

Galeria XXXII - Pirâmide de tartarugas


~