Páginas

terça-feira, 28 de junho de 2016

Cavar pela fresca

Ainda não eram 9h e todo o espaço ainda estava sombreado e já duas tartarugas decidiram que era tempo de se levantaram, que é como quem diz sair da água, e começarem com as escavações, uma num canto e a outra no outro canto. 

~







Muito tempo depois, uma hora talvez. uma decide abandonar o sua cova deixando-a aberta a céu aberto:



Ao passo que a outra por lá continua, afincadamente a tapá-la e a alisar a terra:




Depois dos trabalhos matinais tempo de voltar para a água:



domingo, 26 de junho de 2016

Galeria XLII - Depois de casa arrumada











Desbastar a selva de heras

Já há algumas semanas apanhei um valente susto. Tinha acabado de chegar a casa e mesmo sem as ter contado, percebi logo que uma tartaruga me tinha escapado, pelas marcas deixadas nas heras junto ao muro. 

O tempo passa muito rapidamente, e não se tem tempo para tudo, mais ainda quando tivemos um inverno e uma primavera muito chuvosos, e foram muitos os fim-de-semana com chuva, impedindo assim que se possam fazer trabalhos no exterior.

As heras parece que crescem muito lentamente, mas silenciosamente vão tomando conta de tudo, e aos poucos, todas aquelas canas que espetei junto do muro para impedir que as tartarugas trepassem por elas acima, foram sendo engolidas, e permitem um fácil acesso para que elas possam fugir. 

Esse perigo de fuga só acontece, ou pelo menos comigo é assim que ocorre, quando as tartarugas ficam com as hormonas aos saltos, em meados de maio, e decidem começar a escavar tudo para colocar os ovos. E não podemos facilitar, se facilitarmos é meio caminho para que elas possam escapar. Não esquecer, que não parecendo, as tartarugas são excelente trepadoras. 

Fui contar as tartarugas e confirmava-se. Faltava-me uma. 
E é sempre uma aflição quando isto acontece, pois não sabemos o que poderá acontecer. Mas felizmente, encontrei-a logo, a poucos metros do espaço das tartarugas, mas do lado contrário por onde escapou, o que me indicia, que terá andado bastante até para ali ter chegado.

De imediato tive de tomar medidas preventivas, que foram, colocar uns painéis em madeira que desta forma impossibilitavam qualquer tentativa de escalar as heras. 

Painel de madeira para impossibilitar fugas

Heras já cobriam totalmente as canas

E foi então por estes dias, que comecei os trabalhos de limpeza das heras, podando tudo que estivesse em cima das canas. Na zona do lago e encostado ao muro é mais difícil porque tenho uma zona estreita para estar. O vaso de cimento serviu-me de apoio e pequeno escadote.





E após umas horas de trabalho, aos poucos já se viam finalmente as canas. 






As canas também já estão muito apodrecidas e terei de tentar solucionar isso, ou substituindo estas por outras, ou arranjando outra solução. Mas para já sempre já está com outro aspeto.


Doc Martens Tartarugas Ninja

A Dr. Martens (vulgarmente designada de Doc Martens) é uma marca mundialmente conhecida pelas suas botas pretas, de biqueira de aço e com uma costura amarela por cima da sola. 

As Doc tornaram-se quase um símbolo de algumas tribos urbanas. Primeiro com os Punks a usá-las nos anos sessenta e posteriormente a fazerem sucesso até aos dias de hoje em diferentes culturas da música da pesada.

São extremamente confortáveis, e eu mesmo posso atestá-lo, pois eu mesmo usei umas por muitos anos. Fizesse sol ou chuva eu andava sempre com elas e apesar de caras justificam o preço pois são extremamente duráveis. 

A Dr. Martens, aproveitando a saída do filme "Teenage Mutant Ninja Turtles: Out of the Shadows" fez uma parceria com a Nickelodeon e inspirando-se nos desenhos animados originais dos quatro heróis de carapaça dos anos oitenta, lançaram no mercado quatro modelos diferentes, um modelo por cada herói: Leonardo, Donatello, Michelangelo e Raphael.





Todas as botas, como seria normal, têm um fundo esverdeado e há modelos para todos os gostos da malta mais juvenil, uns ligeiramente mais sóbrios e outros mais arrojados.

                                   








Estes modelos podem ser adquiridos nas lojas físicas ou on-line, por cerca de 150€. 


sexta-feira, 10 de junho de 2016

Cinco Tartarugas e Um Gato

Já tinha partilhado no Bucólico a história de um gato que me apareceu cá por casa. O mais interessante é que descobri que os donos do bicho não vivem mesmo ao lado, mas a várias casas da minha, a uns duzentos metros de distância. 




E todos os dias sempre que chego a casa ele anda por cá, por vezes espera-me mesmo no muro que delimita o lago das tartarugas. Terá sido certamente ele que já por mais de que uma vez assaltou o saco da comida para gato bebé, e como agora recebe uns mimos e comida sem esforço começa a fazer-me companhia, e ainda hoje, por onde quer que eu andasse a jardinar também ele andava, sempre a controlar-me.


E assim que deitei comida às tartarugas, deitei-lhe a ele também. Mas ainda assim apetecia-lhe dos bocados de ração que ficaram no lago!












Veremos quanto tempo ele ficará cá por casa. Nunca quis ter tartarugas e agora tenho cinco, e agora tenho um gato que decidiu fazer-me companhia também!